Bolinho Caipira de Jacareí – Patrimônio Imaterial da Cidade

Em Jacareí, o bolinho caipira vem atiçando o paladar de muita gente há mais de um século. E tamanha é a popularidade que já passou a compor o cardápio não só de festas juninas, mas de festas de aniversários e confraternização. Quem anda pela cidade também pode encontrar o bolinho caipira em quiosques e também no Mercado Municipal.

A fama do bolinho caipira na cidade é tanta que em 2010, foi sancionada uma lei que reconhece o bolinho caipira como patrimônio cultural e histórico de Jacareí.

Receita – A receita tombada como patrimônio cultural é de autoria da quituteira Ana Rita Alves Gherke, mais conhecida por “Dona Nicota”. Nascida em Jacareí, ela criou a receita em 1925 e servia a iguaria em festas juninas da cidade e também no Botequim de Café, estabelecimento de propriedade de sua família, no Mercado Municipal.

Confira a receita do bolinho de Jacareí

Ingredientes
– linguiça caipira (mistura de carne de vaca e carne de porco)
– 2 colheres de tempero pronto
– sal
– cheiro verde
– 1 kg de farinha de milho branca
– 3 colheres de polvilho doce
– água morna

Modo de fazer:
Vá misturando os ingredientes até formar uma massa uniforme. A água morna deve ser colocada de acordo com a necessidade para dar liga na massa. Amasse bastante.

Quando ficar pronta, pegue uma pequena porção nas mãos e abra essa massa.
Coloque então o recheio da mistura de carne de vaca com a carne de porco, que é a linguiça caipira. Feche os bolinhos e leve para fritar.

De acordo com a lei municipal, considera-se como “Bolinho Caipira de Jacareí” a iguaria preparada fundamentalmente com: massa de farinha de milho branca, polvilho doce, sal, alfavaca ou cheiro-verde, e recheada com carne suína ou peixe da espécie lambari.


Participe da Conversa